voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
 
Pesquisas em Andamento

 Oriel Herrera Bonilla

 

 Produção da Halófita Nativa Sarcocornia ambigua em Solo Salinizado do Semi-árido, Irrigada com Efluente Salino da Carcinicultura para Produção de Biodiesel – HALODIESEL
           O Brasil possui uma rica flora de plantas halófitas, que dominam diferentes habitats de marismas e manguezais da costa brasileira e que constituem um imenso potencial biotecnológico a disposição da agricultura de regiões com solos salinos. Alguns cultivares halófitos podem ser importantes oleaginosas. Além desses óleos terem grande apelo em novas aplicações industriais (fármacos, por exemplo), vários grupos de pesquisadores têm apontado a extração de óleo destas halófitas como um importante suprimento adicional de biodiesel para a crescente demanda mundial. Salicornia gaudichaudiana Mog. é uma espécie de halófita nativa da costa brasileira, que cresce em solos sujeitos a grandes concentrações salinas. Essa halófita pode servir como biofiltradora no tratamento de efluentes da aqüicultura. Ela pode ser utilizada como alimento para gado, para galinha, para caprinos e como componente de farelo rico em proteína para alimentação de peixes e camarão. Pode ser usada também como biossal.  Sarcocornia tem grande presença de ácidos graxos na composição de seus tecidos. Portanto, o objetivo dessa pesquisa é gerar tecnologia para o cultivo e extração de óleo da halófita de rápido crescimento S. gaudichaudiana, como alternativa a oleaginosas já comumente utilizadas para a produção de biodiesel.

 

Projeto halodiesel - produção de sarcocornia ambigua em solo salinizado do semi-árido.

 

Dinâmica do Crescimento de Halófitas em Substratos Salinos Controlados, para uso em Bioremediação
            O trabalho está sendo desenvolvido em duas fases; uma em condições de Laboratório, onde as sementes de três espécies de halófitas foram colocadas para germinar numa incubadora e testados vários níveis de temperatura e fotoperíodo, acompanhadas de vários níveis de salinidades no substrato. Todo o processo de germinação, índice de mortandade e crescimento é monitorado. A segunda fase esta sendo realizada em condições de viveiro. Cada uma das plantas pesquisadas é submetida a dois tipos de substrato (areia lavada e vermiculita), expostos a quatro níveis de concentração salina (0, 50 100, 150 e 200 mM NaCl) na solução nutritiva. A taxa de crescimento, o acúmulo de biomassa aérea, fotossíntese, acúmulo de íons na biomassa seca, e suculência, entre outros, serão parâmetros a ser medidos durante este processo. No viveiro, o experimento será conduzido, em esquema fatorial entre as halófitas acima referenciadas e os quatro níveis de concentração salina no substrato. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso, com cinco repetições. Estas plantas podem ser utilizadas como potencialmente fixadouras de dunas e em programas de fitoremediação. Visto que há uma urgente necessidade em conhecer e valorizar nossa flora nativa, as halófitas aqui estudadas deverão ser testadas posteriormente em ambiente natural, para estabelecer programas específicos de recomposição de áreas degradadas no semi-árido nordestino.
 

Halófitas como Sesuvium portulacastrum L.; Blutaparon vermiculare e Sporobulus virginicus são testadas em condições de salinidade conhecidas para verificar seu comportamento e grau de tolerância.

 

Avaliação das Características Fenológicas, Reprodutivas e de Crescimento de Espécies de Crotons (Croton sp. Família Euphorbiaceae) da Caatinga Cultivadas em Viveiro.

As plantas da Caatinga apresentam diversas propriedades que lhes permitem viver em condições desfavoráveis. Em meio à flora da Caatinga destacam-se os marmeleiros, velames e canelas, plantas aromáticas, da família das Euphorbiaceae, do gênero Croton, muito usadas na medicina popular nordestina. Essas plantas possuem óleos essenciais que são muito usados para o tratamento de cólicas, estimulante de apetite, na preparação de condimentos, como aromatizante e edulcorante de doces populares e aguardente de cana. É ainda usada na preparação de infusos (chás) como bebidas aromáticas refrescantes. Não há muitos estudos de suas características ecológicas e principalmente morfo-anatômicas, associadas com o armazenamento desses óleos nos tecidos. Esta pesquisa tem por objetivo fazer uma avaliação das características fenológicas, ecológicas, reprodutivas e de crescimento de nove espécies de plantas do gênero Croton da Caatinga. São elas: Croton nepetaefolius Baill; Croton zehntneri Pax & K. Hoff; Croton sincorensis Muel. Arg.; Croton mucronifoilum Muell. Arg.; Croton argyrophylloides Muell. Arg..; Croton jacobinensis L.; Croton sp. 1; Croton sp. 2. Os objetivos específicos são: determinar os índices de velocidade de germinação das sementes, a determinação estomática das plantas, uma vez que conhecer essas estruturas pode nos ajudar a estabelecer limites de tolerância ao estresse hídrico, além de estabelecer relações entre a planta e o ambiente; caracterizar a estrutura da epiderme foliar; avaliar a ocorrência natural das espécies em condições de campo; descrever a presença de estruturas secretoras, tais como glândulas acumuladoras de óleos e tricomas; analisar dados climáticos e edáficos, visando definir limites geográficos além de fazer uma revisão bibliográfica dos trabalhos feitos no Brasil com as espécies. O trabalho será desenvolvido em três etapas: levantamento de dados bibliográficos, trabalhos de campo e na terceira fase serão utilizadas técnicas de laboratório.

 

A domesticação dos Crotons da Caatinga é importante, pois assim pode ser conhecida sua fenologia, síndromes de dispersão, crescimento, floração e acúmulos de metabóltos secundários, importantes nos processos de conservação de germoplasma.

 
Fitoremediação de Efluentes da Carcinicultura Marinha com Halófitas Nativas Através de um Marisma Artificial
            A agricultura é uma atividade aquática similar a agricultura e se originou há cerca de 3000 anos atrás, entretanto diferente da agricultura, que tem sido o mais importante meio de obtenção de alimentos da terra durante milhares de anos, a aqüicultura e em especial a carcinicultura tem até o presente momento pouco contribuído, comparativamente, com a produção de alimentos. Paradoxalmente as condições de semi-aridez desta região, são ideais para a criação de camarão em cativeiro, sendo atualmente o estado do Ceará um dos maiores produtores de camarão do Brasil, gerando muitas divisas; sendo que atrelada a esta atividade surge também, a problemática da geração de grande produção de efluentes que precisam ser tratados antes de serem laçados novamente aos mananciais. A fitoremediação de efluentes de projetos de carcinicultura com vegetação halófita possível a partir de plantas nativas da costa brasileira, que criam uma grande superfície de fixação de microorganismos que purificam a água pelos processos de mineralização, nitrificação e denitrificação entre outros. Marismas artificiais construídas no entorno dos criadouros poderão interceptar material em suspensão, além de estocar e/ou degradar vários contaminantes normalmente presentes em águas de escoamento.halófitas vem sendo domesticadas em vários países, irrigadas com água salgada e entre as mais promissoras estão as do gênero Salicornia e a grama Sporobulus virginicus. O objetivo principal desta pesquisa é produzir e utilizar plantas de Salicornia e Sporobulus, para ser plantadas num marisma artificial, junto a viveiros de criação de camarão no CEAC (Centro de Estudos Ambientais Costeiros) no município de Eusebio – Ce e analisar o processo de depuração desses efluentes através do seu cultivo e análise de crescimento com produção de biomassa Sementes de Salicornia e Sporobulus foram obtidas do banco de sementes do Laboratório de Ecologia da FURG.

 

Marisma artificial de alvenaria, construído para simular o ambiente natural de plantas que irão ser cultivadas e submetidas a efluentes da carcinicultura e assim verificar seu efeito bioremediador.

 

Sporobulus virginicus e Salicornia ambígua mostram-se promissoras em programas de fitoremediação por serem halófitas extremas.

 

 Levantamento Preliminar da Biodiversidade do Parque Botânico

            O projeto em questão atende a alguns objetivos, citados no Art. 1o do Decreto no 24.216 de 9 de setembro de 1996, que criou o Parque Botânico do Ceará: fomentar a cultura ecológica entre estudantes e professores; proteger fauna e flora locais e assegurar ambientes propícios à manutenção de espécies características da flora do estado. Tendo em vista que o Parque apresenta vegetação e fauna originais e que não existem inventários sobre sua mesofauna e sua entomofauna, ressaltamos a necessidade de fazer o levantamento dessa biodiversidade local. No que diz respeito a flora do lugar, foi feito um levantamento preliminar no ano 2000 sobre as espécies próximas à sede do parque e agora, desejamos complementar as informações acrescentando dados fenológicos de todo o parque, visando desta forma, verificar como funciona o ecossistema local e dessa forma no final elaborar um guia turístico para visitantes. O presente projeto busca também desenvolver a vertente educativa ao promover a Educação Ambiental através da aquisição de informações para um acompanhamento das ações dos visitantes, de forma que possamos aprimorar valores e atitudes, despertando para uma consciência de preservação ambiental sobre a importância que o meio ambiente representa para o desenvolvimento da economia regional e para melhor qualidade de vida da população. Com a produção do guia para visitantes, pretendemos incentivar o eco-turismo e divulgar as belezas naturais existentes no Parque. Destacamos ainda as vantagens que o reflorestamento, a ser desenvolvido em áreas degradadas, trará para o ecossistema, uma vez que isto contribuirá muito no embelecimento do parque, no enriquecimento florístico e aumento da diversidade faunística.

 

Conhecer a biodiversidade faunística e floristica do Parque Botânica do Ceará, facilitará sua conservação, visto ser um dos últimos remanescentes de bosque de Restinga na Região Metroplitana de Fortaleza.

 

 

Atividades de Educação Ambiental no parque Botânico com jovens em idade escolar são de extrema importância para despertar consciência ambiental desde bem cedo.


Implantação de uma Unidade Permacultural Modelo no Campus do Itaperi como Ferramenta de Ensino
          Pretende implementar um módulo que sirva de modelo para multiplicar técnicas adequadas e adaptadas à realidade do semi-árido nordestino. A UECE, instituição de ensino, cuja criação e fundação está voltada para atender ao semi-árido, precisa criar tecnologias que possam ser replicadas pela população com melhoras da qualidade e da auto-estima das pessoas. Com este projeto inovador, toda a comunidade acadêmica, assim como moradores do entorno do campus, poderão ter acesso a metodologias coerentemente reaplicáveis, econômicas, acessíveis a todos e baseada nos princípios e éticas da permacultura, da agroecologia e da extensão. Serão construídos, em série, infra-estruturas que possibilitem o uso e o reuso de matérias pouco convencionais nas propriedades, começando pelo Campus, e na seqüência ultrapassando os muros da instituição onde as pessoas poderão beneficiar-se da praticidade desta unidade que facilita o ensino e a aprendizagem, e, principalmente contribuir com a conservação de meio ambiente ecologicamente equilibrado.)

 
 
 

Construção de uma unidade permacultural modelo na UECE - Ccampus do Itaperi – construção da sede do projeto.


 Estratégia de Controle e Manejo da Bioinvasão de Cryptostegia madagascariensis Bojer Ex. Decne (Periplocoideae, Asclepiadaceae) nas Matas de Carnaúba do estado do Ceará.
            A invasão de espécies exóticas tem sido a segunda maior responsável pela perda de biodiversidade em ecossistemas, perdendo somente para a destruição de ambientes naturais por ação antrópica. Plantas exóticas e invasoras têm alta capacidade de competição e adaptação, ocupando o espaço de plantas nativas. Às margens da Rodovia Estadual CE-040, próximo à ponte sobre o rio Pacoti, município de Aquiraz, assim como nos municípios de Quicheré, Limoeiro do Norte e Jaguaruana entre outros, tem sido observada a invasão da mata de carnaúba por uma planta arbustiva e trepadeira oportunista de flor lilás, conhecida como Cryptostegia madagascariensis. Esta planta ornamental invasora mata as carnaúbas asfixiadas e estranguladas, modificando a paisagem e a dinâmica natural daquele ecossistema. A cadeia produtiva da carnaúba tem sido a fonte de renda complementar de muitas comunidades locais, principalmente no período de estiagem. Há pelo menos 40 anos, a cera de carnaúba produzida no Ceará e no Piauí responde por 87% da produção nacional. O objetivo é analisar e registrar a relação ecológica competitiva estabelecida entre a palmeira nativa e a unha-do-cão, descrevendo o caráter invasor da C. madagascariensis no município de Aquiraz e em outras localidades cearenses. Serão realizadas duas visitas por mês às matas de carnaúbas de Aquiraz, num período de dois anos. Os pontos visitados serão georeferenciados e fotografados. Far-se-á necessário a coleta de folhas, flores e frutos da planta invasora para a devida identificação taxonômica da espécie. O grau de invasão observado nos locais visitados será mensurado, auxiliando na confecção de listas de espécies bioinvasoras de âmbito nacional e internacional. Serão realizadas atividades de controle mecânico, químico e biológico para estabelecer uma estratégia de controle eficiente da planta, a fim de impedir seu avanço.

 

A Unha-do-Cão (Cryptostegia madagascariensis), a pesar de apresentar lindas flores lilás, está se tornando uma verdadeira ameaça para os bosques naturais de carnaúba, causando-lhes a morte. A Unha-do-Cão é uma planta originária da ilha de Madagascar – Africa.

 

 


Maria Goretti Araújo de Lima

 

Diversidade da Riqueza, Abundância e Sazonalidade da Artropofauna Presentes no Solo em Mata de Tabuleiro e Mata no Parque Botânico no Município de Caucaia – CE

Estudos sobre fragmentação de floresta tropical têm demonstrado que a eliminação de algumas espécies, como os predadores de nível trófico superior, como no caso dos artrópodes pode levar a um processo de extinção em cadeia. Dada a carência de trabalho com artrópodes no Ceará,o entendimento taxonômico da organização dessa comunidade de invertebrados se faz necessário.

Este projeto esta na fase de conclusão onde estão sendo encontradas diversas famílias de aranhas. No momento, dentre as aranhas avaliadas, verificou-se que a Família Salticidae foi a mais encontrada nos dois fragmentos de mata estudados, apresentando também maior número de morfoespécies, seguida da família Ochyroceratidae. A família Nemesiidae foi a menos abundante quantitativamente,e identificou-se a grande representatividade do gênero Leprolochus da família Zodariidae,com 288 indivíduos de um total de 306 representantes de toda a família .

Já para o grupo estudado de Coleóptera está sendo constatado uma maior abundância de coleópteros coprófagos da tribo Canthonini e dos gêneros Canthon sp. 2, Sylvicanthon sp.

 
 

 Armadilha de solo utilizada nos experimentos dos artrópodes | Aranha da família Zodariidae

 

Biodiversidade de Tripes (Insecta: Thysanoptera) Associados ás Hortaliças Orgânicas no Município de Carnaubal - Ce

 

Estudos sobre tripes (Insecta) associados a hospedeiras no estado do Ceará são raros, apesar da grande relevância como insetos pragas agrícolas. Seu tamanho diminuto faz com que, muitas vezes, passem despercebidos pelos agricultores. Dentre esses insetos o gênero Thrips é o que apresenta maior número de espécies-praga. Em hortaliças, mais precisamente, nas culturas do tomate e da cebola, esses insetos têm causado danos à planta tanto de maneira direta quanto indireta através de transmissão de viroses.

Esse projeto esta sendo executado e tem como finalidade de conhecer a biodiversidade da fauna de Thysanoptera nos cultivos orgânicos da abóbora, cebola e tomateiro no município de Carnaubal- CE.

 


 

 Coleta de tripes em cultivos orgânicos de tomate e cebola na Serra da Ibaiapaba – CE

 

 

Frankliniella schultzei  e Caliothrips encontrados no cultivo orgânico do tomate e abobrinha respectivamente na Serra da Ibiapaba – CE

 

 

 

István Major  
Levantamento de Fósseis da Bacia Sedimentar do Araripe – Ceará, com fines didáticos
          Esta pesquisa visa fazer um levantamento de fosseis que ocorrem na Bacia Sedimentar do Araripe que teve origem no Cretáceo. Este levantamento agrupará os principais fósseis que ali se encontram para usá-los com fins didáticos e de pesquisa, pelo fato de muitos deles estarem sendo destruídos pelas indústrias de mineração. São estudados os locais onde eles se encontram com uma descrição do ambiente físico, procurando descrever e entender como eram os ambientes no passado.

 

O estudo dos fosseis permite entender como eram os ambientes do passado remoto, descrevendo as condições que poderiam ter causado o desaparecimento de muitas espécies.

 

 

Os fosseis mostram que na Bacia do Araripe, existiam bosques compostos por árvores que apresentavam grande diâmetro do tronco, muitas delas se extinguiram.

 

 

Encontrar fósseis na Chapada do Araripe, cujas origens datam do Cretáceo, mostram uma época em que a região era, em parte coberta pelo mar.

 

Serviços

Agenda - Novembro 2017

Do Se Te Qu Qu Se Sa
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2

UECE - LABORATÓRIO DE ECOLOGIA - LABOECO - CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - UECE - Av. Dr. Silas Munguba, 1700 - Campus do Itaperi - Fortaleza/CE -

Fone: (85)

© 2009 - Governo do Estado do Ceará. Todos os Direitos Reservados